PANCs – Plantas alimentícias não convencionais

Grande parte de nossa alimentação provém dos vegetais; entretanto, utilizamos uma porcentagem mínima de espécies nativas ou adventícias que poderiam complementar a dieta ou mesmo a renda familiar. Sabendo-se que muitas pessoas hoje não tem acesso a uma alimentação nutritiva e equilibrada, aliando-se à rusticidade e fácil manejo, as plantas alimentícias não convencionais (PANCs) são espécies com grande importância ecológica, econômica, nutricional e cultural.

O termo PANCs foi criado pelo botânico Valdelly Kinupp, com objetivo de desmistificar preconceitos com plantas consideradas “daninhas”, ou mesmo com plantas desvalorizadas. Utiliza-se folhas, frutos, flores, raízes, sementes/amêndoas, brotos e palmitos. Para isso, basta usar a criatividade.

Estima-se que 35 mil espécies tenham potencial comestível, e hoje 90% da nossa comida vem de 20 espécies –  mostrando que consumimos menos de 0,04% da biodiversidade. Vale ressaltar que somente na região metropolitana de Porto Alegre o pesquisador Kinupp encontrou 311 espécies comestíveis. Além disso, sabe-se que 25% da flora de qualquer bioma é comestível, quebrando mitos de que existem regiões pobres em alimentos.

No Brasil, os incentivos são voltados para monocultura, com quase nenhum apoio à agricultura familiar e ecológica. A monocultura é uma comunidade artificial, que visa unicamente o lucro e a alta produtividade. Ela anula a diversidade de espécies e diversidade genética, além de desequilibrar o sistema. Obedece ao ciclo: herbicidas > diminuição da diversidade de plantas > diminuição da diversidade de insetos > esgotamento de solo e baixa reciclagem do sistema > necessidade de fertilizantes > crescimento de ervas > herbicidas. A baixa diversidade de plantas provoca um maior ataque dos insetos e patógenos  – pois não existe controle biológico  – tendo como consequência o aumento do uso de pesticidas.

Com ecossistemas destruídos, comunidades ficam sem acesso aos alimentos locais, criando dependência de cultivos externos e até mesmo afastando-se de tradições culturais. Atualmente existe um oligopólio de grandes empresas na venda de sementes, homogeneizando os cultivos em todo mundo, mesmo perante a incrível diversidade de ambientes existentes.

Há necessidade urgente de inter-relação entre conhecimento científico e popular, além do estreitamento entre economia e biodiversidade, promovendo conservação dos nossos biomas de forma sustentável  – com uso inclusive na alimentação.

As PANCs são, em sua maioria, rústicas. Adaptadas ao clima, tem baixa necessidade hídrica e baixa exigência de solo, sendo – inclusive – indicadoras de solo. O agrotóxico não é necessário para seu crescimento, pois ela é adaptada e conta com controle biológico, decorrente de ambientes biodiversos. Em resumo, tem manejo e cultivo fácil.

São extremamente importantes para a variação da nossa dieta, sendo muitas vezes mais nutritivas que os alimentos convencionais, a exemplo das urtigas e mamão-do-mato, que possuem de 3 a 5x mais cálcio que o espinafre (considerado fonte).

A Lei da Segurança Alimentar e Nutricional (Lei nº 11.346, de 15 de julho de 2006) fala sobre “A realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam social, econômica e ambientalmente sustentáveis”, indo ao encontro da proposta das PANCs.

Criando demandas, estimulando o uso e divulgando conhecimentos você estará não apenas equilibrando a sua alimentação, mas também promoverá a soberania alimentar e o empoderamento de agricultoras e agricultores de menor escala. Mudar a alimentação também é um ato político.

O que teve na semana acadêmica?

-refrigerante de bananinha-do-mato (gravatá)

-refrigerante de picão preto, araçá e fruto de nopalea

– pão vegano de bertalha

– biscoito vegano de begônia com pasta de batata baroa e erva-pepino

– pizza vegana de guabiroba com broto de bambu

– fruto da costela de adão

– suco de uvaia

– bolo vegano de ananás com coco

– pastinha de leite com iuca

-quiche de caruru e maria pretinha

-quiche de buva

RECEITAS:

Refrigerante de picão preto, araçá e fruto de nopalea

-10 litros de água

-1 kg de açúcar refinado ou mascavo

-500 ml de suco de limão

-Folhas e ramos de picão preto (3 maços)

-Araçá à vontade

-Fruto do Nopalea à vontade (para dar cor)

Preparo:

Ferva a água com o açúcar, folhas e frutos por 30 minutos, ou até sentir que o caldo já saborizou. Desligue e adicione o suco de limão. Deixe esfriar completamente. Peneire e coloque em garrafa PET. Deixe em um ambiente seco e sombreado.  A fermentação varia conforme o calor. No verão, em 2 dias geralmente está pronto. Para saber que fermentou, basta pressionar a garrafa. Se ela estiver dura, está na hora de tomar!

Obs1: depois de fermentar, guarde em geladeira para interromper a fermentação.

Obs2:para mudar o sabor do refrigerante, é só criar. O processo é o mesmo, sempre fervendo os alimentos na água para saborizar o caldo.

Pão de bertalha

Ingredientes:

1 xícara de água

2 xícaras de farinha de trigo refinada

1  xícara de farinha de trigo integral OU aveia

2 colheres de chá de sal

2 colheres de sopa de açúcar

2 colheres de chá de fermento biológico seco

1 punhado de folhas de bertalha

Preparo:

Bater as folhas de bertalha com a água morna no liquidificador. Misturar os ingredientes secos; adicionar o líquido e sovar até desgrudar da mão. Se necessário, corrigir com mais água ou farinha. Descansar até dobrar de volume. Colocar em uma assadeira e assar em forno médio, pré-aquecido, até dourar o pão ou até ele fazer som de “oco” ao bater (fora da forma).

Texto por Marilia Kelen e Luíza Machado.

Fotografias por Heitor Jardim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Tem ciência no teu chá!

A ciência que você não vê mas que está ao seu lado todos os dias.

%d blogueiros gostam disto: